Conheça 4 tipos de pneus de carro e saiba como diferenciá-los

Entre os diferentes tipos de pneus de carro existentes, optar por um de perfil adequado é sinônimo de segurança e boa performance para o seu veículo. Além disso, é preciso checar periodicamente a sua calibragem, inclusive a do estepe, e substituí-lo logo que necessário para evitar determinados fatores, como dificuldades de frenagem, problemas com a suspensão e eventuais multas.

Ocorre que existem, hoje, no mercado, diversas opções de pneus disponíveis. Isso faz com que inúmeros motoristas tenham dificuldades na hora de escolher o modelo mais adequado para o seu automóvel.

Pensando nisso, neste conteúdo, vamos apresentar os diferentes tipos de pneus de carro e as principais diferenças entre eles para ajudá-lo na sua escolha. Vamos lá!

Como é a estrutura de um pneu?

A indústria automobilística busca, de forma constante, aprimorar a sua tecnologia. Assim, o pneu não é produzido apenas à base de borracha e, entre os seus principais componentes, podemos destacar os seguintes:

  • carcaça: estrutura de fibras acopladas à borracha para garantir rigidez e resistência à pressão;
  • talões: são colocados na parte interna para que o pneu se fixe ao aro;
  • paredes: é a parte lateral, confeccionada em borracha;
  • bandas de rodagem: são as faixas que entram em contato com a pista para a transmissão de força do motor em tração;
  • lonas: camadas de tecido sobrepostas à carcaça para aumentar a resistência do pneu;
  • ombros: são as extremidades da banda de rodagem que melhoram a estabilidade em curvas.

Quais são os principais tipos de pneus de carro que existem no mercado?

Agora que você já sabe como um pneu é formado, vamos abordar os quatro tipos mais relevantes e que apresentam características técnicas e aparências distintas.

1. Pneu on-road

É o tipo mais comum de pneu. Os seus sulcos são reduzidos de forma a proporcionar um maior contato entre a carcaça e a pista e eles são indicados para veículos que trafegam majoritariamente em trechos urbanos, como carros de passeio.

2. Pneu off-road

Nos pneus off-road, há um maior espaçamento da banda de rodagem e sulcos mais largos. Além disso, a sua carcaça reforçada confere um visual mais “agressivo” e característico ao pneu. É indicado para veículos que trafegam em terrenos irregulares, como estradas de terra e lama.

3. Pneu misto

São pneus híbridos e versáteis com capacidade de rodagem tanto em asfalto quanto em estradas de terra não muito acidentadas. É o pneu original de fábrica de muitos “SUVs” do mercado.

4. Pneu radial

É um pneu mais resistente e indicado para veículos que atingem altas velocidades. Nesse tipo, a profundidade dos sulcos é maior, garantindo uma melhor dirigibilidade, principalmente em curvas, além de maiores índices de aderência ao asfalto. Isso proporciona uma resposta de frenagem maior, principalmente em situações de chuva.

Quais pontos devem ser considerados ao escolher o pneu ideal para o carro?

Por fim, para que você não erre em sua escolha, existem determinados pontos que devem ser levados em consideração ao optar pelo pneu ideal para o carro, como a verificação, na etiqueta do INMETRO, obrigatoriamente presente nos pneus novos, da nota atribuída aos índices de aderência e ao gasto de combustível do produto.

Mais um ponto relevante é que, no manual do veículo, há a especificação recomendada pelo fabricante para aquele modelo. No caso de optar por um produto diferente dos parâmetros estabelecidos, antes de fechar a compra, você pode encontrar referências de uso em fóruns ou em grupos específicos do seu veículo nas redes sociais.

Por fim, também é fundamental saber como interpretar os índices e códigos dos pneus, como a sigla “P 225/45 R17 91W”, que consiste nas seguintes informações:

  • P (tipo de veículo);
  • 225/45 (largura/altura);
  • R (construção);
  • 17 (tamanho do aro);
  • 91 (índice de carga máxima);
  • W (índice de velocidade).

Como vimos ao longo deste post, existem diferentes tipos de pneus de carro no mercado e é preciso analisar as especificações de cada um deles para que seja possível optar por aquele que melhor atende às suas necessidades. Por isso, fique atento às dicas que apresentamos e coloque-as em prática para não errar em sua escolha!

Se você gostou deste post, continue a visita ao blog e confira 8 orientações para a manutenção preventiva dos veículos!

Carro por assinatura: vale a pena investir?

Por Ana Carolina Oliveira

Novidade dentro do mercado automobilístico, o formato de carro por assinatura traz um novo conceito sobre ter um veículo

Você já ouvir falar em carro por assinatura? Isso mesmo, assim como nossas plataformas de streaming, assinatura de revista, jornal ou semelhantes.

O serviço de carro por assinatura trouxe uma nova lógica de consumo dentro do mercado auto. Ele oferece facilidades para aqueles que querem usufruir das vantagens de ter um carro zero sem as dores de cabeça que possuir um veículo pode gerar. Por um lado, não é necessário arcar com custos burocráticos, manutenção, desvalorização e venda, mas por outro a modalidade exige que o consumidor aceite bem o conceito do uso e não de posse.

Vamos entender mais sobre essa modalidade e quando vale a pena contratar o serviço.

O que é carro por assinatura?

O carro por assinatura é uma nova modalidade de aluguel. Com ela o consumidor garante o uso de um veículo novo por um período determinado, geralmente de 12 a 36 meses. Dentro do pacote, pago mensalmente, ainda estão inclusos os impostos e taxas (IPVA, Seguro DPVAT, Licenciamento, entre outros), seguro e manutenção preventiva do carro.

Além disso, como o consumidor não adquire o veículo, também não precisa lidar com a desvalorização ou dar entrada em um financiamento.

Mas como toda história tem dois lados, vamos apresentar alguns pontos negativos para que você avalie se o serviço compensa ou não. O primeiro é que no final do contrato não há um veículo na garagem do consumidor. Se você é um motorista que roda muito, fique atento, os planos têm limite de quilometragem. Além de continuar sendo responsável de pagar o valor da franquia.

Como funciona a modalidade?

O primeiro passo é analisar quais são suas necessidades, escolher a categoria do veículo que melhor vai te atender e orçar os valores. Depois de escolher a categoria e a companhia, analise todo contrato do aluguel. Isso inclui, as proteções inclusas e durabilidade do contrato.

É importante destacar que a maioria das prestadoras desses serviços exige que o cliente tenha 21 anos, cartão de crédito no nome do titular da locação e aprovação pela política de crédito da locadora.

Um veículo para chamar de seu

Essa modalidade traz uma experiência diferente para os amantes de veículos, afinal você usufrui, mas não é seu. Não dá para negar que acabamos nos apegando e que a sensação de ter o seu próprio veículo é muito boa.

Você que tem veículo e não pretende mudar por enquanto não se esqueça que pode contar com a Magna para cuidar da sua conquista e não ter com que se preocupar.

E você, acha que essa moda pega ou prefere um veículo pra chamar de seu? Deixe nos comentários

Amortecedores: saiba quais são as diferenças

Por Ana Carolina Oliveira

O amortecedor é um dos componentes mais importantes e mais conhecidos do conjunto de suspensão

Você com certeza já ouviu fala a respeito dos amortecedores, eles são projetados para reduzir as oscilações da mola quando o veículo passa por ondulações, além disso, esse componente garante também que os pneus se mantenham sempre em contato com o solo.

Sem ele já dá para imaginar que a situação seria bem crítica né?! Vamos imaginar a força do movimento de sobe e desce da mola sem ter nenhum apoio de amortecimento, a roda iria quicar muito contra o solo e deixaria o carro praticamente incontrolável, acabaria com a estabilidade geral em linha reta e em curvas.

O seu conceito permanece o mesmo, mas assim como os carros, o componente também passou por transformação. Hoje, existem dois tipos: o convencional, também conhecido como hidráulico, e o pressurizado.

Amortecedor convencional

A maioria dos amortecedores é bi-tubular, ou seja, possui um tubo externo, reservatório de óleo e um tubo interno, câmara de trabalho do pistão. No interior contém óleo, principal elemento principal para gerar a ação de amortecimento e que controla a movimentação do veículo e o ar atmosférico.

Amortecedor pressurizado

A construção é similar ao amortecedor hidráulico, o amortecedor pressurizado possui gás nitrogênio à baixa pressão no tubo reservatório, que empurra o óleo para dentro da câmara de trabalho, evitando vazios de acionamento e tornando a movimentação mais estável. Outra diferença considerável é no selo de vedação, conhecido como retentor, ele deve ser forte para vedar a entrada de qualquer tipo de impureza e o vazamento de óleo e do gás.

Qual amortecedor é o melhor?

Devemos esclarecer que não existe essa questão de melhor ou pior. Tanto o modelo hidráulico (convencional) como o pressurizado são fabricados e estruturados para oferecer conforto aos veículos e seus condutores.

No entanto, sua determinação entre um e outro é diferente. Mas isso não cabe ao proprietário nem ao mecânico decidir qual é melhor ou o preferido. A definição de qual amortecedor deve ser utilizado dá a partir de sua fabricação pela montadora. Afinal, existe todo um projeto de construção e aplicação do modelo é pensado por eles, que leva em consideração o design, estruturas, capacidade e motorização.

Como evitar desgaste?

Agora que já falamos sobre o que são os amortecedores, sua importância, tipo e qual o melhor, falaremos sobre como cuidar deste componente tão importante.

Assim como todos os componentes do veículo, lembre-se sempre da revisão preventivas dos amortecedores, por questões de proteção já que os amortecedores estão ligados diretamente a dinâmica do carro.

Fique atento às situações comuns que podem indicar a perda de eficiência dos amortecedores. Dificuldade de dirigibilidade, carro instável em curvas e até mesmo em retas; observe se há desgaste irregular na banda de rodagem dos pneus, principalmente se está criando um desenho com escamas; outra observação é se a roda está quicando com o carro em movimento, mesmo em pisos mais lisos.

Nesses casos o melhor a se fazer é procurar ajuda profissional e fazer aquela revisão e deixa tudo em ordem! E aí conta aqui pra gente, como estão seus amortecedores?

Seu veículo com desempenho melhor! Saiba quais ações adotar

Ter o próprio automóvel traz muitas responsabilidades. É preciso ser mais cauteloso no trânsito, conhecer e respeitar as leis e zelar pelo veículo, por exemplo. No dia a dia, pequenas ações podem ser adotadas para manter o carro seguro e conservado, principalmente se levarmos em conta as estatísticas alarmantes quanto a furtos e roubos.

Pensando nisso, selecionamos 5 dicas essenciais para ajudar você nessa tarefa e garantir que seu automóvel tenha um desempenho melhor. Confira a seguir!

1. Cuide da manutenção

Sabia que fazer as manutenções regularmente pode prevenir acidentes de trânsito? Afinal, são nessas checagens que é verificado o estado geral do veículo: a parte mecânica, os freios, o motor e demais componentes. Por isso, reserve no calendário datas periódicas para levar o carro à oficina.

Não havendo um problema específico, essas visitas costumam ser marcadas de acordo com a quilometragem. Então, fique atento e não perca a oportunidade de assegurar que o automóvel esteja 100%.

2. Trave as portas

A trava é um acessório indispensável em um carro. Ela ajuda a manter seus pertences e veículos seguros, afastando ameaças. Se seu automóvel não conta com ela, faça esse investimento o quanto antes. Além de serem práticas e automáticas, elas otimizam o tempo do motorista. Só não vale instalar e esquecer de acionar, ok?

3. Estacione em locais seguros e iluminados

Infelizmente, nem todo estabelecimento conta com um estacionamento privado, o que leva o condutor a estacionar na rua vez ou outra. Essas ocasiões, embora nem sempre previsíveis, podem comprometer não apenas o bem, mas a segurança do motorista.

Ao sair de carro, verifique se o local de destino possui estacionamento. Caso contrário, procure estacioná-lo em locais seguros. Ambientes mal iluminados costumam atrair criminosos e favorecer assaltos. Sendo assim, previna-se para manter o seu carro seguro.

4. Instale um rastreador

Há quem acredite que um rastreador pode auxiliar apenas quando o roubo já aconteceu, mas ele tem outras utilidades. Monitorar o deslocamento é essencial para garantir a segurança do veículo, do condutor e dos passageiros, prevenindo, inclusive, acidentes.

Por meio do GPS ou sistema de radiofrequência, essa tecnologia viabiliza localizar seu automóvel em qualquer lugar e ajuda a recuperá-lo em casos de roubo ou furto, na maioria dos casos. Além disso, ele pode baratear o serviço de seguro e evitar seu acionamento em caso de sinistro.

5. Contrate a proteção veicular

Contratar um serviço de proteção veicular é uma maneira eficiente de manter seu carro em segurança. Seu custo-benefício em relação ao seguro é melhor, mais flexível, e sua cobertura é abrangente e fiscalizada. Não à toa essa alternativa é cada vez mais popular entre os condutores.

Investir na segurança do seu veículo é uma forma de zelar pela sua própria vida. Aliás, as dicas acima mencionadas são essenciais para manter não apenas o carro seguro, mas também o condutor e todos os passageiros. Fique atento a eventuais problemas que podem representar um risco para seu automóvel.

Gostou do que leu? Agora responda: dá para manter o carro seguro pagando um valor acessível? Sim, é possível. Saiba como neste artigo especial sobre proteção veicular!

Confira as vantagens de ser um motorista de aplicativo

Você já pensou em se tornar motorista de aplicativo? Desde que essas ferramentas se popularizaram no Brasil, muitas pessoas enxergaram uma excelente oportunidade de trabalho ou para ganhar uma renda extra nas horas vagas. Afinal, quem é que nunca recorreu a esse tipo de serviço, não é mesmo?

Esse é um segmento que tem uma ótima demanda e, se você se dedicar, certamente terá sucesso. Quer saber quais são as outras vantagens de trabalhar como motorista de aplicativo? Continue a leitura do post para conhecer mais!

Autonomia

A pressão de superiores e a cobrança por um desempenho cada vez melhor e pelo cumprimento de metas exageradas causam a queda de produtividade e ainda podem prejudicar a saúde do trabalhador. Ao ser um motorista de aplicativo, você será o seu próprio chefe.

Assim, você mesmo estabelecerá as suas metas de acordo com os seus objetivos e com a disponibilidade para trabalhar. Vale lembrar que, nesse caso, é preciso ter autocrítica para se aperfeiçoar cada vez mais no serviço prestado.

Horários flexíveis

Poder planejar a própria rotina é uma das maiores vantagens. É você quem determinará quantas e quais horas trabalhará. Desse modo, você poderá ajustar os seus horários para ter outra atividade, passar mais tempo com a família, nunca mais perder as comemorações importantes e poder marcar compromissos em qualquer parte do dia.

Ter horários flexíveis também permitirá que você tenha um lucro maior ao trabalhar em saídas de baladas e outros eventos.

Ganhos de acordo com a produtividade

Uma das maiores queixas de quem trabalha em um emprego convencional é ser mais produtivo que outros funcionários e ganhar o mesmo valor ou, em alguns casos, até menos. Na atividade de motorista de aplicativo, a regra é simples: quanto mais você trabalha, mais você ganha.

Dessa forma, será possível compensar algum dia de trabalho. Se você tirou um período de folga durante a semana, por exemplo, poderá compensá-lo trabalhando um pouco mais nos dias seguintes.

Dinamismo

Caminhos, pessoas, conversas: todos esses fatores variam, tornando cada viagem uma experiência única. Isso faz com que o tédio e a monotonia não façam parte da atividade. Além disso, compartilhar o seu dia a dia e o seu trabalho com tantas pessoas diferentes é um ganho imaterial e que dificilmente será encontrado em outra profissão.

Para oferecer o melhor aos seus clientes e ter cada vez mais sucesso na atividade, é importante escolher um modelo de carro apropriado para esse tipo de serviço e ficar sempre atento aos feedbacks dos passageiros, tanto os do próprio aplicativo quanto os dados pessoalmente durante o trajeto.

Outro ponto fundamental é manter a revisão preventiva em dia. Isso evitará que você perca períodos de trabalho e que tenha imprevistos durante alguma viagem.

Como você viu, há grandes vantagens em ser motorista de aplicativo. Porém, para garantir que você possa continuar trabalhando com segurança e tranquilidade, não deixe de contar com um bom serviço de proteção veicular. Assim, você terá assistência sempre que precisar e ainda será bem amparado nas mais diversas situações.

Quer saber mais? Então, aproveite a visita ao blog e confira oito dicas para a manutenção preventiva dos veículos!

Confira 5 dicas para reduzir o consumo de combustível

Avaliar cuidadosamente o consumo de combustível é uma excelente forma de economizar e aumentar o desempenho do veículo. Nesse caso, o melhor caminho está em conhecer bem o funcionamento do carro, manter as revisões em dia e adotar bons hábitos de direção.

São questões simples que, quando colocadas em prática, fazem muita diferença não só no bolso, mas também na preservação da segurança do motorista de maneira geral. Ao ter esse tipo de controle em mãos, ainda existe a possibilidade de ter mais autonomia na direção sem correr risco de ficar com o tanque vazio no meio da estrada.

Quer saber mais? Vamos mostrar 5 dicas para reduzir o consumo de combustível. Acompanhe!

1. Mantenha os pneus calibrados

Evitar rodar com os pneus vazios é um dos pontos que fazem toda a diferença no consumo de combustível. Isso porque, quando estão abaixo da pressão ideal recomendada pelo manual do fabricante, aumentam a superfície de contato com o solo. Em função disso, o motor precisa usar mais energia para manter o veículo rodando e o consumo é elevado.

No entanto, se torna necessário que os pneus fiquem calibrados na medida correta para as características de cada veículo. Caso estejam muito “duros”, existe a chance de diminuir a vida útil dos componentes de suspensão. O mais indicado, nesse caso, é fazer a verificação da calibragem a cada duas semanas, sempre com os pneus frios.

2. Dirigir de maneira adequada

Pode até não parecer importante em um primeiro momento, mas os “vícios” do motorista ao volante também são responsáveis pelo consumo de combustível. Por exemplo, sempre frear de maneira brusca ou atrasar a troca de marcha faz com que o carro gaste mais gasolina que o necessário.

Tenha atenção especial para acelerar e frear de maneira gradual e use o freio-motor em reduções de velocidade. Outro elemento que deve ser considerado é descer ladeiras com o automóvel em ponto-morto. Essa prática, além de esvaziar o tanque mais rápido, ainda reduz o tempo de vida útil dos freios.

3. Trocar a marcha sem forçar o motor

Cada marcha é criada com o objetivo de desempenhar uma força específica no funcionamento do carro. Assim, quando o motorista acelera demais e ultrapassa o limite indicado para cada marcha, o motor, automaticamente, se desgasta e acontece o desperdício de combustível.

Saiba que cada tipo de motor tem um nível de força ideal, com foco em garantir o seu melhor desempenho e o uso da gasolina de maneira geral. Então, o segredo está em sempre ficar atento diante da resposta do motor em relação à carga que foi solicitada. Quando observar que a marcha exige que pise mais no acelerador, mas a resposta for lenta, certamente, está forçando mais que o necessário e o consumo será muito maior que quando o carro é conduzido de forma perfeita.

4. Calcular o consumo de combustível

Esse é um verdadeiro divisor de águas na rotina de quem deseja economizar. Esse tipo de conta costuma ser muito simples e faz parte da avaliação do nível de rendimento do veículo. Como cada tipo de carro tem suas particularidades, você precisa considerar os litros abastecidos e os quilômetros rodados.

O segredo para fazer os cálculos corretamente é calcular a média em quilômetros por litros. Divida a quantidade percorrida pela marcada na bomba no momento do abastecimento. Por exemplo, se foi colocado 30 litros no tanque para que ficasse cheio e o carro rodou 500 quilômetros, o resultado é uma média de 16,66 quilômetros por litro.

5. Leve apenas o necessário

Muito peso no carro também aumenta o consumo de combustível. Então, nada de deixar o banco de trás ou o porta-malas com coisas que nunca são usadas e acabam sendo guardadas por puro esquecimento. Quanto mais pesado o carro estiver, maior será a necessidade de forçar o motor. Além disso, também é interessante remover bagageiros e outros suportes quando não forem usados.

Pronto! Agora, você já sabe como reduzir o consumo de combustível. O mais importante é manter as revisões regulares do veículo, para garantir que tudo funcione corretamente. Assim, com esse cuidado somado aos bons hábitos de direção, fica muito mais simples economizar e alcançar a melhor performance do carro.

Gostou das informações? Então, compartilhe com seus amigos nas redes sociais para que eles também aprendam a economizar.

Que tipo de motorista eu estou sendo?

Faça um exame de consciência: como tem se comportado nas ruas da sua cidade? Pois o trânsito é uma via de mão dupla onde todos fazem sua parte

Tirar a CNH e poder dirigir traz liberdade para nossas vidas, liberdade essa que vem carregada de responsabilidades. Para ser um bom motorista, além de seguir todas as regras de trânsito, é importante ter empatia com o outro para que haja boa convivência.

Quer saber como ser um bom motorista? Veja só essas dicas

Siga as leis de trânsito

Parece óbvio né?! Mas é sempre bom lembrar que as leis de trânsito estão aí para nossa proteção no trânsito. Por isso, respeite sinalizações, velocidades da via, use sempre a seta para indicar a mudança de faixa ou alguma manobra. Evite também uma das nossas maiores distrações: o celular. Deixe para usar em casa ou no trabalho.

Atenção, atenção!

Toda sua atenção voltada para a pista, certo? As mudanças no trânsito podem acontecer em questões de segundo. Por esse motivo observe bem o que acontece a sua frente e assim poderá realizar desvios ou manobras necessárias de maneira responsável. Além disso, fique de olho nos carros que estão atrás e nas laterais por meio dos retrovisores.

Não dirija cansado

Se estiver cansado ou com sono opte por parar e descansar. Dirigir com sono é muito perigoso e nos deixa suscetíveis a acidentes graves. Por isso, se estiver em uma viagem tente fazer um rodízio entre motoristas se tiver essa possibilidade, caso contrário, pare e descanse para seguir de forma segura.

O relógio não vai mudar!

Se atrasar para algum compromisso é normal, principalmente quando se vive em uma cidade grande ou o trânsito está mais pesado. Por isso, nada de aventuras! Pensa com a gente você já está atrasado, as chances de chegar no horário são mínimas, então não há motivos para realizar ultrapassagens perigosas ou até mesmo o famoso e ultrapassado zigue-zague.

Olho nos pedestres

Observar os carros e o trânsito a sua volta é importante, mas não se esqueça dos pedestres eles sã prioridade!

Sempre que tiver uma faixa de pedestre reduza a velocidade e observe se alguém vai atravessar, principalmente em áreas com grande circulação de pessoas. Além disso, seja cauteloso em áreas escolares e residenciais. Lembre-se que gentiliza gera gentileza e resolve muitos problemas no trânsito.

Fique protegido

Apesar de todos os cuidados não dá para negar que estamos sujeitos a imprevistos. Somos responsáveis pelas nossas ações, mas a do outro pode ser uma surpresa.

Por esse motivo que a proteção veicular da Magna existe, para que você motorista consciente tenha com quem contar quando imprevistos acontecerem. Faça sua simulação online, dirija com cautela e viva tranquilo.

Carro alienado: tudo que você precisa saber

Por Ana Carolina Oliveira

Quando uma pessoa oferece o veículo como garantia de financiamento ou empréstimo, significa que deixou o automóvel alienado

O termo parece bem estranho, mas a Magna descomplica para você. O primeiro ponto a se destacar é que não tem nenhum tipo de ligação com aliens, naves espaciais ou algo ligado a outro planeta.

A alienação é a transferência de um bem para uma empresa para qual você deve, sendo ela um banco ou uma instituição financeira. No caso do veículo, ele fica como garantia até que as parcelas sejam pagas. Da mesma forma, a regra da alienação vale para carro e para moto também.

De onde vem o termo?

Ela tem esse nome, pois está dentro da Alienação Fundiária, um recurso legal que permite a prática do empréstimo com garantia, em vez hipotecar. É uma estratégia de pagamento que vale a pena, já que permite parcelar valores bem altos, com prazo maior e juros mais baixos.

No entanto, como saber se um carro está alienado? É possível vender um veículo alienado? E comprar, é vantajoso? Quais são os riscos? Para que não fique nenhuma dúvida a respeito, vamos aos detalhes. Continue lendo!

Será que este carro está alienado?

Para saber se o carro está alienado ou não, é necessário ter em mãos a placa do veículo e o número do Renavam. O Renavam é o Registro Nacional de Veículo Automotores e pode ser encontrado no documento do veículo. Com esses dados, você acessa o site do Detran do seu estado e consegue ver a situação do veículo.

Além disso, é possível checar se o automóvel está envolvido em outras dívidas. Mas, não se tem acesso ao valor e ao número de parcelas restantes.

Posso vender ou comprar um carro financiado?

Sim! É possível vender ou comprar um veículo alienado, financiado. Geralmente, quando o consumidor fica inadimplente, ele prefere repassar o carro para outra pessoa. Dessa forma, a dívida é quitada, ou pelo menos, reduzir o valor devido para a financeira. Podendo ser feita de duas formas:

Finalizar o contrato: o novo proprietário opta por quitar as parcelas restantes com seu dinheiro ou realizar um Interveniente Quitante (IQ), procedimento realizado pelas instituições financeiras em que o bem a ser usado como garantia já é garantia de outro financiamento ou empréstimo.

Com isso, a nova empresa onde o contratante quer solicitar crédito quita a dívida anterior e só pode alienar o veículo. Ou seja, a dívida não é exatamente transferida para outra titularidade, como se fosse um novo contrato.

Antecipar parcelas: nesse caso, o atual proprietário adianta as parcelas e quita tudo antes de entregar o veículo. Ação que normalmente torna o valor final mais barato, já que acumula menos juros. Com isso, o responsável por saldar o valor do carro é o novo proprietário.

É vantagem comprar carro alienado?

O lado bom de comprar um carro alienado é o preço mais baixo que um novo. Assim, você consegue economizar, se escolher quitar a dívida com a instituição e esta for proporcional ao seu bolso. É importante analisar a sua situação financeira e estar certo de que poderá arcar, para assim optar por assumir a dívida.

Antes de adquirir o veículo, ou até mesmo para vendê-lo é fundamental que ele esteja com todos os documentos atualizados, fique atento ao IPVA, multas e se o licenciamento está em dia. Antes de fechar negócio avalie também o estado de conservação do automóvel para não ter surpresas desagradáveis. Além disso, verifique a situação legal e o registro no Detran e não deixe de conferir cada detalhe do contrato.

Carro alienado é critério na proteção?

Aqui na Magna, um carro alienado não é critério de avaliação para ser protegido. Financiamentos são escolhas que permitem realizar a compra daquele carro dos sonhos e nada melhor do que saber que pode ficar tranquilo com a nossa proteção.

E aí, deu para entender tudo sobre carro alienado? Ainda tem alguma dúvida? Compartilha com a gente nos comentários.

Carro para família: o que considerar antes de comprar um?

Quando a família vai crescendo, não é apenas a casa que precisa de mais espaço. O lazer e até as atividades cotidianas exigem mais conforto e, quando é possível, é válido considerar adquirir um veículo maior para proporcionar mais comodidade para as pessoas mais importantes da sua vida.

No entanto, considerando o investimento, é um momento de pesar prós e contras para decidir quais carros para família seriam ideais. Confira as nossas dicas para solucionar essa questão a seguir. Boa leitura!

O que é importante levar em conta na hora de comprar?

Conforto e segurança

A sua prioridade deve ser a segurança da sua família e, em seguida, o seu conforto. Se você já decidiu por fazer um investimento nessa área, o preço deve ser, sim, considerado, porém levando em conta os diferenciais do veículo e os elementos dos quais vocês não abrem mão.

Quando o assunto envolve segurança, é interessante conversar com o consultor sobre os itens opcionais úteis, como os airbags laterais e os freios ABS. Sobre o conforto, considere o espaço disponível para cada pessoa. Os seus filhos são crianças ou adolescentes? Pense em longo prazo e em quanto tempo pretende manter o carro. Questões assim são relevantes e devem ser avaliadas antes de fechar a compra.

Consumo do veículo

Os carros econômicos são os preferidos dos brasileiros porque eles entendem o impacto que esses números têm em sua saúde financeira. Ao pesquisar um automóvel maior, é válido, então, considerar também o consumo.

Pesquise a sua eficiência energética, ou seja, quantos quilômetros são feitos com cada litro de combustível. Isso vai impactar as saídas, as viagens etc.

Índice de Manutenção Veicular

Os custos de manutenção variam de carro para carro. Naturalmente, os maiores (como os SUVs) demandam despesas mais elevadas. Porém, nem sempre é assim. Vale a pena estudar caso a caso para saber qual está de acordo com o seu bolso. O Índice de Manutenção Veicular (IMV) é o que classifica esses gastos e indica quais são os mais baratos (e os mais caros também). Então, dê uma olhada antes de fechar negócio.

Potência do motor

Ao comprar um carro para família, a potência do motor também deve ser levada em conta, principalmente se a sua costuma fazer muitas viagens. A segurança deve ser a sua prioridade, mas escolher um veículo com boa performance é essencial. Converse com o consultor sobre um modelo que se encaixe nesses requisitos. Geralmente, um de 110 a 120 cavalos é o ideal.

Quais são os carros para família mais seguros?

Analisando as dicas dadas nos tópicos anteriores, alguns modelos se destacam. Qual deles é o mais adequado para a sua família? Avalie alguns pontos elencados a seguir.

SUVs

Também chamados de utilitários, esses veículos são os que mais têm itens de segurança, além de uma boa potência e um amplo bagageiro.

Sedãs

Mais espaçosos, os modelos sedãs são bem populares, porque grande parte dos carros disponíveis no mercado oferece essa opção plus. Para quem busca economia, é uma boa alternativa, pois o seu IMV é razoável.

Minivans

Essa é uma ótima opção para quem tem uma família grande ou preza por muito espaço. As minivans conduzem até nove pessoas e têm um bom diferencial: são econômicas.

A escolha de um carro para família deve levar em consideração as dicas dadas neste artigo, como você viu, mas, principalmente, as particularidades da sua. As prioridades e as preferências devem ser analisadas para que o modelo escolhido seja uma boa opção para todo mundo. Posteriormente, no entanto, lembre-se de que é preciso pensar em como manter o veículo protegido. Uma excelente alternativa é a proteção veicular, mais acessível e menos burocrática.

Gostou do nosso artigo sobre carro para família? Assine a nossa newsletter e receba mais conteúdos como este em primeira mão.

Conheça 6 cuidados com carro necessários para o seu veículo

Você sabe quais cuidados com carros ajudam a aumentar a durabilidade das peças e a melhorar a sua segurança? Conhecer esse tipo de informação é fundamental para que você possa usufruir do seu veículo com tranquilidade e por mais tempo.

Ter um carro, além de proporcionar ótimos momentos de lazer, também é uma maneira de aumentar a sua autonomia e conforto durante deslocamentos. Por isso, vale a pena ficar por dentro das melhores práticas na hora de cuidar do seu.

Se você tem interesse pelo tema, continue a leitura deste post, no qual apresentamos 6 dicas de cuidados com o carro que são necessários para o seu veículo. Confira, a seguir, os detalhes!

1. Faça a manutenção periódica do motor

O motor de um veículo é um de seus principais componentes e, portanto, deve ser uma prioridade entre os cuidados que devem ser adotados com o carro. Assim, o ideal é sempre prestar atenção em possíveis ruídos ou barulhos estranhos vindos do motor ao usar o veículo.

Além disso, também é fundamental observar o desempenho do motor e se atentar à emissão de fumaça, uma vez que isso pode indicar problemas.

Outro ponto relevante e que merece atenção é a lubrificação das partes móveis do motor. Para tanto, é imprescindível realizar a troca de óleo regularmente, de acordo com a frequência determinada pela montadora do veículo. Caso contrário, podem ocorrem falhas no sistema de lubrificação, resultando em avarias no motor.

Uma dica de manutenção periódica do motor é verificar com frequência o nível de lubrificante por meio da vareta de óleo. Essa é uma inspeção visual, que deve ser feita em uma superfície plana e com o motor frio. Ao observar que o nível está abaixo da especificação, o ideal é procurar por um mecânico a fim de observar se o carro não apresenta vazamentos.

2. Calibre os pneus semanalmente

Um cuidado simples e que pode ser adotado sem maiores dificuldades é calibrar os pneus todas as semanas, uma vez que não exige muito tempo e pode ser feito sempre na hora de abastecer o carro.

Manter os pneus calibrados é capaz de aumentar a durabilidade das peças, pois previne desgastes prematuros. Nos casos em que os pneus não se encontram na calibragem ideal, há um desgaste de maneira lenta e regular do material.

Também é fundamental evitar andar abaixo da calibragem recomendada para não danificar os pneus. Se for necessário, o ideal é recorrer ao manual do proprietário para obter informações a respeito da pressão recomendada.

3. Faça rodízio de pneus

Os pneus são responsáveis pela aderência correta do veículo ao solo e, por essa razão, estão diretamente relacionados com a segurança do veículo, sendo fundamental se atentar a esse importante item.

Em geral, a tendência é que os pneus dianteiros tenham um desgaste muito maior que os traseiros. Dessa maneira, a fim de aumentar a sua durabilidade, é importante realizar um rodízio entre eles — ou seja, inverter a sua ordem — a cada 5 mil quilômetros rodados com o veículo.

Adotar essa prática é capaz de proporcionar um desgaste por igual entre todos os pneus e, consequentemente, prolongar a vida útil desses componentes.

Também é importante se lembrar de fazer, de maneira periódica, balanceamento e alinhamento das rodas, uma vez que tais medidas evitam problemas mais graves e, ainda, mantêm o desempenho do veículo em conformidade com o esperado.

4. Tenha cuidado com os vidros do carro

Os vidros são um dos componentes mais sensíveis de um veículo e, ao contrário do que muitas pessoas imaginam, também exigem cuidados. Para protegê-los, é interessante, por exemplo, não ligar o limpador de para-brisa quando o vidro não estiver molhado, pois, sem a água, os resíduos podem gerar arranhões e riscos na peça

Também é importante sempre se atentar à condição do limpador de para-brisa, uma vez que, nos casos em que esse item está desgastado, ele é capaz de gerar danos no vidro e na borracha.

Para preservar os vidros do carro, não há nenhum segredo: é preciso apenas usar muita água e um detergente suave e, para secar, um pano macio.

Por fim, também é relevante se atentar a possíveis sinais de desgaste ou trincados nos vidros, já que é comum que pedras e outros materiais que estejam na via atinjam o vidro do veículo.

5. Mantenha a limpeza interna e externa

Você sabia que manter a limpeza do carro em dia também é uma maneira de cuidar e preservar o seu veículo? Afinal, a sujeira é capaz de gerar danos na pintura e até mesmo comprometer o aspecto da lataria com o passar do tempo.

Além disso, limpar o veículo com frequência também garante a sua boa aparência interna e externa, além de manter uma fragrância agradável em seu interior.

É válido ressaltar, ainda, que a falta de limpeza dentro do automóvel é capaz de gerar o acúmulo de substâncias nocivas à saúde, como ácaros, bactérias e fungos — que são capazes de provocar alergias em pessoas suscetíveis a doenças respiratórias.

6. Mantenha o giro do motor em níveis corretos

Manter o giro do motor acima ou muito abaixo do recomendado é capaz de gerar desgaste e até mesmo danos ao motor e à transmissão. Isso ocorre, por exemplo, quando o condutor anda em uma velocidade baixa, mas com uma marcha elevada (como na quarta ou na quinta).

Dessa maneira, o ideal é procurar manter sempre o giro do motor em níveis corretos, evitando utilizá-lo acima ou muito abaixo da linha vermelha, com exceção para determinados casos de necessidade, como em ultrapassagens.

Agora que você já conhece 6 dicas de cuidados com carros, coloque-as em prática o quanto antes! Além disso, mantenha o seu veículo com a manutenção em dia para preservar a sua vida útil e evitar o desgaste prematuro das peças.

O que você achou das nossas dicas? Deixe um comentário e nos conte o que você costuma fazer para cuidar do seu carro!