Amortecedores: saiba quais são as diferenças

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Por Ana Carolina Oliveira

O amortecedor é um dos componentes mais importantes e mais conhecidos do conjunto de suspensão

Você com certeza já ouviu fala a respeito dos amortecedores, eles são projetados para reduzir as oscilações da mola quando o veículo passa por ondulações, além disso, esse componente garante também que os pneus se mantenham sempre em contato com o solo.

Sem ele já dá para imaginar que a situação seria bem crítica né?! Vamos imaginar a força do movimento de sobe e desce da mola sem ter nenhum apoio de amortecimento, a roda iria quicar muito contra o solo e deixaria o carro praticamente incontrolável, acabaria com a estabilidade geral em linha reta e em curvas.

O seu conceito permanece o mesmo, mas assim como os carros, o componente também passou por transformação. Hoje, existem dois tipos: o convencional, também conhecido como hidráulico, e o pressurizado.

Amortecedor convencional

A maioria dos amortecedores é bi-tubular, ou seja, possui um tubo externo, reservatório de óleo e um tubo interno, câmara de trabalho do pistão. No interior contém óleo, principal elemento principal para gerar a ação de amortecimento e que controla a movimentação do veículo e o ar atmosférico.

Amortecedor pressurizado

A construção é similar ao amortecedor hidráulico, o amortecedor pressurizado possui gás nitrogênio à baixa pressão no tubo reservatório, que empurra o óleo para dentro da câmara de trabalho, evitando vazios de acionamento e tornando a movimentação mais estável. Outra diferença considerável é no selo de vedação, conhecido como retentor, ele deve ser forte para vedar a entrada de qualquer tipo de impureza e o vazamento de óleo e do gás.

Qual amortecedor é o melhor?

Devemos esclarecer que não existe essa questão de melhor ou pior. Tanto o modelo hidráulico (convencional) como o pressurizado são fabricados e estruturados para oferecer conforto aos veículos e seus condutores.

No entanto, sua determinação entre um e outro é diferente. Mas isso não cabe ao proprietário nem ao mecânico decidir qual é melhor ou o preferido. A definição de qual amortecedor deve ser utilizado dá a partir de sua fabricação pela montadora. Afinal, existe todo um projeto de construção e aplicação do modelo é pensado por eles, que leva em consideração o design, estruturas, capacidade e motorização.

Como evitar desgaste?

Agora que já falamos sobre o que são os amortecedores, sua importância, tipo e qual o melhor, falaremos sobre como cuidar deste componente tão importante.

Assim como todos os componentes do veículo, lembre-se sempre da revisão preventivas dos amortecedores, por questões de proteção já que os amortecedores estão ligados diretamente a dinâmica do carro.

Fique atento às situações comuns que podem indicar a perda de eficiência dos amortecedores. Dificuldade de dirigibilidade, carro instável em curvas e até mesmo em retas; observe se há desgaste irregular na banda de rodagem dos pneus, principalmente se está criando um desenho com escamas; outra observação é se a roda está quicando com o carro em movimento, mesmo em pisos mais lisos.

Nesses casos o melhor a se fazer é procurar ajuda profissional e fazer aquela revisão e deixa tudo em ordem! E aí conta aqui pra gente, como estão seus amortecedores?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp